Saiba mais

UOL EdTech adquire startup Skore - Plataforma LXP

Blog

Adaptabilidade: como trazer essa prática para o mundo corporativo?

content

Em cenários onde sucesso e falência estão sempre ao alcance, a adaptabilidade é vital para a sobrevivência destes espaços.

Empreendedores experientes e novatos no mercado são presenteados, diariamente, com novos desafios em seu ambiente organizacional. 

Segundo o dicionário, adaptabilidade é uma palavra que deriva do verbo “adaptar”, com sentido de tornar-se apto, preparado para qualquer situação. 

Adaptabilidade, portanto, pode ser definida como um hábito consistente de preparação para todo tipo de cenário. 

A importância deste conceito no mundo corporativo cresceu com a expansão dos aparelhos de conexão à internet, uma mudança que gerou impactos severos sobre a maneira como se produz bens de consumo. 

Com a revolução tecnológica em grau acentuado, onde ideias como Internet das Coisas ganha mais forma com as atualizações constantes, a adaptabilidade foi aglutinada em todas as etapas da vida e em toda a cadeia produtiva, independente de seu resultado final. 

A realidade das sociedades digitais está em constante transformação, e a passagem dos anos pode ser um risco para as empresas. 

O mercado de cinco anos atrás pode ser totalmente distinto do cenário atual. 

Por isso, o planejamento estratégico das empresas desloca seu olhar dos processos internos e contempla o futuro, construindo metodologias de análise que permitam a previsão do que pode acontecer em um intervalo de meses ou anos. 

Tais metodologias geram impacto sobre o presente, viabilizando o desenvolvimento de novas formas de pensar a organização corporativa, a disposição de cargos e as ferramentas de produção adotadas, como um motoboy entrega de documentos

A passagem de tempo é um fenômeno inevitável e incontrolável, é parte da adaptabilidade aceitar esta afirmação e agir proativamente em relação a ela. 

Fundamentos da adaptabilidade para empresas 

Pensar em adaptabilidade no ambiente corporativo é pensar em meios de organizar cargos, rotinas de trabalho e métodos de avaliação dos resultados, aspectos que devem ser dispostos de modo a facilitar o rearranjo destes elementos. 

A adaptabilidade está diretamente ligada ao impulso de mudança. 

Em uma transição interna, o gestor deve tomar os cuidados com o ambiente organizacional:

  • Eliminar ruídos e falhas de comunicação;
  • Planejar detalhadamente cada ponto;
  • Estabelecer prazos realistas;
  • Entender o impacto de cada mecanismo nos resultados corporativos.

A organização dos espaços corporativos parte do conceito de liderança, equipes, criação de setores e atribuição de responsabilidades e cargos, do diretor ao serviço de porteiro, que juntos, formam a cultura organizacional de uma empresa. 

O conceito de adaptabilidade pode ser aplicado em cada um destes pontos, por meio da integração de quatro fundamentos que conferem definição à ideia: 

Flexibilidade: absorvendo a mudança

A flexibilidade é, provavelmente, o tópico mais facilmente associado a um fundamento da adaptabilidade. 

Consiste no poder de resistir às mudanças e absorver o impacto delas, gerando valor. 

Um ditado popular que pode exemplificar o paradigma da flexibilidade é “quando a vida te der limões, faça uma limonada”. 

A flexibilidade parte do pressuposto de que a mudança é maior do que o ente afetado por ela. 

Portanto, caso não encontre um meio de aproveitamento das novas condições, a empresa ou projeto estará fadado a desaparecer. 

Uma empresa de limpeza predial pode aplicar o fundamento de flexibilidade com a construção de contratos de serviços que se adequem a diferentes tipos de consumidor, desenvolvendo uma estrutura que favoreça novas formas de trabalho. 

Flexibilidade é um termo associado à plasticidade, um conceito da Física que define um corpo com capacidade de mudar sua forma caso submetido a uma tensão. 

Uma massa de silicone assume o formato de um copo, caso seja inserida em seu espaço. 

Curiosidade: antecipando oportunidades

A curiosidade é o impulso que permite a consideração de mudanças, a visualização de cenários futuros e a elaboração de soluções criativas. 

Para a sobrevivência nas sociedades digitais, é de extrema importância que a cultura organizacional valorize a curiosidade de seus colaboradores e líderes. 

Este fundamento da adaptabilidade garante o interesse na realidade que cerca a empresa ou produto. 

Uma empresa que lida com um grupo de consumidores, sejam eles indivíduos ou outras empresas, precisa se interessar pelo comportamento destes clientes e pelo desempenho de suas atividades internas e variações externas, fator que define sua natureza. 

O investimento em instrumentos e profissionais direcionados à busca constante por informações sobre o que acontece a nível interno e externo, representa um grande passo em direção à curiosidade nos ambientes organizacionais. 

Manter-se atualizado é um meio de detectar oportunidades de atuação, mitigar crises e preparar-se para um episódio negativo de mercado, como uma crise financeira causada por uma bolha especulativa. 

Além disso, a curiosidade é a base da criatividade, a transformação de símbolos, objetos e situações cotidianas em soluções e produtos inovadores para uma Cesta básica atacadão, uma loja de revenda virtual ou um projeto de expansão. 

Coragem: implementando transformações

A ideia de coragem está diretamente associada à tolerância ao risco. Uma empresa que lida diretamente com as oscilações do cenário externo e deseja ser adaptável, deve desenvolver modos de tornar sua organização interna tolerante a riscos. 

Um exemplo é a reformulação das equipes de um departamento inteiro, incluindo a delegação de novas lideranças, uma decisão julgada pelo nível estratégico como importante para adequação a um novo mercado. 

Este novo mercado pode ser definido pela introdução de novos concorrentes e produtos inovadores, tornando obsoletas as mercadorias anteriormente comercializadas, por exemplo. 

É necessário coragem para ultrapassar a mera identificação de um problema ou necessidade de mudança.

A empresa que deseja aplicar o conceito de adaptabilidade em sua estrutura deve ter a coragem de implementar as transformações que a situação exigir.

A coragem unifica o diagnóstico e tratamento, a idealização e a realidade das consequências. 

Este critério, capaz de viabilizar todos os demais, fundamenta a adaptabilidade na criação de um novo item, como uma porta de aço de enrolar.

Resiliência: mantendo a identidade

A resiliência é um termo de significado similar à flexibilidade, apresentando, no entanto, uma diferença em relação ao seu comportamento diante de ameaças ao ambiente organizacional. 

Enquanto a flexibilidade aborda a plasticidade que as corporações devem desenvolver para tornarem-se adaptáveis, a resiliência é o norte que direciona as mudanças. 

Uma organização deve implementar mudanças em cenários distintos, mas não pode manifestar informações destoantes. 

Um exemplo é uma empresa especializada na venda de camisas brancas. Esta é sua especialidade em seu mercado. 

Toda a sua estratégia de segmentação do público e branding foi construída com base nisso. 

Uma modificação no cenário externo, como o acréscimo de valor da matéria-prima necessária para confeccionar estes produtos, ameaça a solvência desta empresa. 

Seus líderes devem implementar uma solução que adapte a empresa a este novo contexto. 

A estruturação das mudanças necessárias deve observar o impacto sobre o branding da empresa, de modo a respeitar sua identidade. 

O caráter de ser adaptável consiste em uma marca que saiba navegar por transformações sem se descaracterizar por completo. 

Aplicando a adaptabilidade em soluções práticas

Aplicar o conceito de adaptabilidade exige a observação de seu significado nas atividades diárias de uma empresa, incluindo o planejamento de todas as atividades e serviços operacionais, como impermeabilização de fachada, até o atendimento ao cliente. 

Implemente equipes de fácil dissolução

Um dos principais obstáculos na adaptabilidade das empresas é a rigidez das equipes, que possuem um núcleo estabelecido de membros, líderes e um modo pouco dinâmico de distribuição de tarefas. 

As equipes de fácil dissolução, representadas na teoria administrativa pelas equipes interfuncionais e autogeridas, são caracterizadas pelo alto potencial de criação de soluções inovadoras, visto que sua existência não é um fim, mas é um meio de alcance para algo. 

Treine líderes flexíveis e subordinados autônomos

Derivado do aspecto anterior, a concentração do processo decisório na mão do líder é um fenômeno que dificulta a reestruturação de ambientes corporativos, um elemento fundamental para a adaptabilidade de uma empresa de urnas funerárias

O empreendedor deve desenvolver uma cultura que estimule a independência em todos os níveis hierárquicos. 

Membros de equipes, subordinados às lideranças que possam agir com autonomia em suas atividades ajudam a distribuir a carga. 

Quebrar o processo decisório em pedaços menores é um antigo método de segurança do todo, utilizado até mesmo em guerras. 

Parte do princípio de caso uma das colunas pare de funcionar, as demais são capazes de suportar o peso, mantendo a construção de pé. 

Invista em ferramentas versáteis

Os instrumentos utilizados na execução de tarefas administrativas ou operacionais, no processo de venda ou de produção de mercadorias, representam um tópico que define muitos pontos da organização de uma empresa. 

Pouco se pensa sobre o impacto que um aluguel de empilhadeira elétrica ou a compra de um software de armazenamento de dados pode gerar na cultura de uma corporação. 

A versatilidade das ferramentas usadas diz muito sobre a adaptabilidade da empresa.

Ferramentas versáteis para o ambiente interno de empresas podem ser:

  • Bancos de dados integrados aos setores;
  • Equipamentos de múltiplo uso;
  • Cadeias produtivas holísticas;
  • Métricas de produtividade verificáveis.

Isso acontece porque, junto com as ferramentas, surgem os colaboradores para operá-las. 

O processo de contratação, treinamento e delegação é inteiramente modificado pelo modo como a produção é orquestrada.

Conclusão

A adaptabilidade é um conceito de extrema importância para o desenvolvimento dos ambientes organizacionais na era contemporânea, uma ideia que marca, com eficiência, a necessidade de inovação e vontade de encarar as mudanças. 

Transformações de alta velocidade são elementos característicos destes tempos, sem os quais o desenvolvimento das sociedades e do mercado demandaria mais recursos para atingir o patamar atual, adaptar-se é um ato de otimização do que já é feito.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.