Saiba mais

UOL EdTech adquire Qulture.Rocks

Blog

O tutor – e as funções que ele exerce – são a essência da educação atual - UOL EdTech

content

Estamos ingressando na fase da valorização do tutor em EAD!

“Como assim?”, muitos dirão! “Desde quando o tutor é valorizado???”

 

Desde que a EAD se estabeleceu no Brasil como uma alternativa para o Ensino viabilizando a educação em larga escala em todos os recantos do país, o tutor se revelou primordial para garantir o sucesso dessas iniciativas.

 

Foi designada aos tutores a tarefa de manter os alunos engajados, de responder perguntas sobre conteúdo ou conduzi-las para os professores “conteudistas”, e possivelmente identificar alunos que tenham necessidade de algum apoio especial em termos psicológicos ou até financeiros. São eles que interagem diretamente com os alunos, servindo de ponte entre o aluno e a instituição ou entre o aluno e o conteúdo.

 

E eles são avaliados por métricas como taxa de retenção, melhoria no desempenho dos alunos, e outros indicadores importantes para o negócio.

 

Então por que os tutores são menos valorizados que os conteudistas?

 

Por mais importantes que sejam, no entanto, é comum os tutores ganharem menos por hora do que os professores da mesma instituição. Em geral, eles também têm cargos administrativos com menos direito a férias e a outros benefícios da carreira acadêmica.

 

Se considerarmos que o tutor recebe menos do que o professor, pode até parecer que as instituições não investem neles; por outro lado, como é necessário contratar muitos tutores, observa-se que as instituições não ousam abrir mão deste serviço para garantir o sucesso de suas operações.

 

Em resumo: o tutor parece ganhar pouco ou menos que um professor, mas é considerado imprescindível no processo educacional, principalmente na educação a distância.

 

Quais são as funções mais valiosas de um tutor?

 

Vamos começar pelo que o mercado entende como “tutor”. No CensoEAD.BR, da Abed, de 2018, perguntou-se aos fornecedores de produtos e serviços para a educação a distância, o que eles entendiam como o papel de um bom tutor. As respostas geraram o seguinte gráfico:



O que os fornecedores de EAD entendem por habilidades de um bom tutor

 

As palavras “aluno/alunos” ficaram em destaque absoluto, seguidas de “empatia” e “aprendizagem”. Entende-se, portanto, que a proximidade com o aluno e a preocupação com ele são as principais características que se espera de um tutor. As outras palavras em menor destaque são muitas, e muito diversas, mostrando que a função de um tutor também é muito variada e rica, e envolve diferentes capacidades: liderança, trabalho em equipe, agilidade, dedicação, solução de conflitos, escrita, iniciativa, disponibilidade, feedback, organização, etc.

 

Não por coincidência, essas são as habilidades que o Fórum Internacional do Trabalho considera essenciais para o século XXI.

 

Já o papel do professor, nesta mesma pesquisa, não ficou tão vinculado às habilidades do século XXI. Ele está mais vinculado a “domínio de conteúdo”, “formação”, “linguagem”, “didática” e “clareza”, entre outros. Há menção a habilidades interpessoais, mas em menor frequência do que com relação ao tutor.

 


O que os fornecedores de EAD entendem por habilidades de um bom professor

Se o tutor ganha menos, em média, do que o professor, por que os profissionais da educação deveriam desenvolver as habilidades da tutoria? Quem deseja ser tutor e ganhar mal?


O cenário atual, porém, é de virada no mercado educacional, e é possível que muitos professores percam seus empregos e que os tutores os mantenham, ou – no melhor dos mundos – que os professores com habilidades de tutores mantenham empregos mais bem pagos.

Parece inacreditável, não é?

 

Vamos ver o que já dizia o CensoEAD.BR de 2016

 

Segundo esse documento, que conta com a resposta 106 instituições com fins lucrativos, identificamos algumas correlações entre tutores que ganhavam menos de R$ 30,00/hora à época e tutores que ganhavam mais de R$ 75,00/hora. Optamos por limitar a análise às instituições com fins lucrativos para que a análise sobre a opção por pagar mais ou menos aos tutores também envolvesse reflexões sobre lucratividade do negócio, que as instituições co fins lucrativos sempre fazem.


Alguns resultados chamaram a atenção

Por exemplo, os tutores que ganham mais de R$ 75,00 estão primordialmente em instituições que promovem metodologias ativas, e, consequentemente, solicitam que os alunos participem de discussões, produzam textos acadêmicos e não acadêmicos, que realizam solução de problemas, etc. Provavelmente, essas atividades demandam habilidades mais sofisticadas por parte dos tutores e as instituições que valorizam essas metodologias acabam investindo mais nestes profissionais mais qualificados.

 

Outro ponto que chama a atenção é que as mesmas instituições que investem mais em tecnologias adequadas a uma educação mais moderna também são as que pagam mais a seus tutores. Todas as instituições que adotam abordagens de avaliação mais atuais como feedback entre pares, rubricas de aprendizagem e notas de áudio e vídeo também são as que pagam melhor os seus tutores.

 

A maioria dos tutores que ganha menos de R$ 30,00 está em instituições que oferecem feedback individual para cada questão dos alunos, tornando o trabalho do tutor muito mais oneroso e repetitivo.

 

Com investimento em tecnologia, pode-se reduzir este trabalho repetitivo e investir nos seres humanos para darem feedback mais efetivo e mediado por tecnologia.


 

O QUE ISSO TEM A VER COMIGO?

 

A valorização de quem domina as competências do século XXI é um fato – em qualquer profissão, não só na de tutores e professores. Se você é profissional da educação, vale a pena desenvolver as habilidades de tutoria – alguém haverá valorizá-las. Se você é tutor, mostre seu valor e fortaleça suas habilidades interativas, e não tenha medo de novas tecnologias. Seu desempenho certamente será reconhecido.

 

Em um mundo em que os alunos demandam cada vez mais atendimento personalizado, as instituições que quiserem bons resultados, terão de ajudar o aluno a aprender a aprender, desenvolver criatividade, empatia, etc. Isso se faz com bons tutores!

 

Obs: Acho que os alunos presenciais também vão reivindicar esse tipo de atendimento qualificado!

 

Referências:
ABED. CensoEAD.BR 2016. SP, Abed. Disponível em: http://www.abed.org.br/site/pt/midiateca/censo_ead/1449/2017/09/censoeadbr_-_2016/2017. Acessado em:14/2/2020
ABED. CensoEAD.BR 2018.SP. Abed. Disponível em: http://abed.org.br/arquivos/CENSO_DIGITAL_EAD_2018_PORTUGUES.pdfAcessado em: 14/2/2020
World Economic Forum. The Future of Jobs Report. 2018. Disponível em: http://www3.weforum.org/docs/WEF_Future_of_Jobs_2018.pdf Acessado em: 14/2/2020


Tutoria é o quarto tema da série de artigos sobre Liderança que o UOL EdTech está realizando no mês de fevereiro. O tema também faz parte do catálogo A moderna educação – Power Sapiência.

Para conhecer mais do catálogo Power Sapiência, clique aqui